Encontrei Faramir, Filho de Denethor e Irmão de Boromir

Por paulohenrique

Esses três últimos dias que passaram, posso dizer que foram de muita emoção e puro êxtase, pois tive a incrível experiência de visitar a Comic Con. Ainda é muito novo, para mim, estar em um universo onde o brilho do que tanto buscamos vem de nossas paixões entre séries, filmes, quadrinhos e aqueles que nos maravilham com os personagens que tanto amamos, os atores, atrizes e diretores presentes.

É claro que em meio a esse mundo encantado e deslumbrante, tudo tem que ser bem organizado, pois temos a oportunidade de encontrar aqueles que tanto amamos, que nos inspiram, e vivem personagens que nos cativam, nos faz perdermos a consciência e ir correndo ao seu encontro, como se fosse um deus grego.

No primeiro dia, entrando em um ambiente onde as luzes em um teto formavam feixes devido a uma suave neblina, parecia realmente que estava em um mundo cinematográfico, de tanta beleza que havia naquele lugar. Não é comum, para mim, estar em lugares como esse, e talvez por isso fiquei tão maravilhado.

A plateia lotada de Nerds e amantes do cinema assim como eu que estava sendo conduzido em uma maca. Eu estava sendo levado para mais perto do palco, onde havia poucas poltronas e bem acima delas uma tela que ultrapassaria mais da metade de uma das paredes de meu quarto.

Ainda estava chegando gente e, enquanto isso, eu ficava absorto pelo mundo em minha volta. Conheci novos amigos enquanto o evento não iniciava, olhei alguns que buscavam sentar no melhor lugar possível, e via com detalhes os feixes que vinham dos holofotes pendurados no teto. Tudo era lindo, tudo era um sonho.

Quando menos se espera, as luzes se apagam e o que eram apenas sussurros dos amantes de heróis e quadrinhos transformou-se em euforia, num som ensurdecedor de muitos que gritavam de satisfação e extrema alegria, quando na grande tela no palco surgem as cenas de Alice, personagem principal da franquia Resident Evil. Eu mesmo não tirava meus olhos das imagens de ação que a tela mostrava, e ainda mais com o som sorround que me provocam arrepios.

Minutos depois, as luzes retornam e no palco entra aquele que irá anunciar grandes maravilhas e surpresas. A cada palavra, a cada anúncio que ele nos dava, o mundo rugia em prazer e, de repente, o som de milhares de vozes chega ao limite, quando nos é divulgado que a atriz e o diretor de Resident Evil estariam presentes. Eu os vi lá! Vi Milla Jovovich entrar com o seu celular filmando a plateia, vi Paul W. S. Anderson gesticulando para aqueles que amam seu trabalho. Pela primeira vez vi o caminho para este mundo que tanto amo bem na minha frente.

Mas, estar em um lugar como este, para mim, é desconhecido. O que o mundo do cinema, as principais empresas cinematográficas tem a nos oferecer? Vivemos uma vida de extrema dificuldade. A cada dia que acordamos e nos deparamos com nossa realidade, é um ardor na alma que, muitas vezes, não nos oferece alegria.

Quando vemos um filme e de repente nos identificamos com ele, é porque algo ali nos chamou atenção. Pode ser que a história seja a mesma que estejamos passando, ou a vontade de ter tal poder nos faz querer ser um herói, ou mesmo buscar esperança para salvar a humanidade de uma catástrofe sem precedente.

Chega ao fim aquele primeiro momento que vivi e de repente meu desejo foi de querer ter uma lembrança de pessoas que nos enchem de alegria. Poderia ser uma simples foto entre sorrisos, ou poucas palavras escritas em qualquer papel. Infelizmente, perdi essa única chance que a vida me ofereceu e assim o primeiro dia se passou.

No segundo dia, não dormi à noite. Estava matutando em minha mente como seria possível eu ao menos ter algo de especial nesse evento. Não era algo material, que você pega e guarda a sete chaves, mas sim algo que eu pudesse ao menos ter para mim. Em meu celular fui no aplicativo do evento e separei os lugares que eu queria muito ir, sendo que o principal deles era ter uma chance de chegar perto de Faramir.

Já dentro desse universo, junto com meus amigos, deixei claro para onde iríamos quando chegasse o tempo certo de tentar ir atrás de Faramir. Visitei alguns estandes, atento às grandes telas de LCD, onde trailers de filmes eram exibidos com muita beleza. Fui a lugares onde os colecionáveis enchiam os olhos de encanto e, de repente, meu relógio dá o aviso que um dos eventos que deixei marcado começaria em 30 minutos.

Pedi para que os meus amigos me levassem onde eu queria ir, mas não tínhamos um mapa de toda a área, então, eles correram atrás de um. Encontrando o caminho, fui levado às pressas para que meu sonho fosse realizado. Esperamos a liberação para entrarmos no local das fotos e, de repente, me levam para ficar em frente a um painel com o logo do evento.

Disseram que Faramir viria e, nesse momento, fiquei tenso e apertando as mão. Em poucos minutos surge alguém que não era Faramir, e sim Jacob ou Lúcifer. Ele se aproximou de mim e disse: “Hi, I’m Mark.” Naquele instante, desesperado, vendo que ninguém me ajudaria em nossa conversa, tomei fôlego e disse: “Hi, I’m Paulo, nice to meet you!” E segurei em sua mão.

Tentei falar um pouco sobre minha vida: “I’m living in a hospital, since I was two years old.” Ao que ele responde com uma expressão: “Uuuhaauu!” Vendo que ele me entendeu, fiquei mais solto e falei sobre a série Sobrenatural. Pouco depois, tiramos foto. Seu nome é Mark Pellegrino, e com sua extrema simpatia me deu a chance de eu lhe entregar um folder sobre mim, e ainda dizer que seremos amigos no Facebook. Depois dessa imensa felicidade, voltamos a caminhar nos arredores desse evento, em busca de novidades.

Mas, ainda assim, eu queria encontrar Faramir, filho de Denethor e irmão de Boromir, então, quem sabe no dia seguinte, essa busca pode dar certo?

Domingo, no último dia do evento, fiquei muito feliz por estar novamente no mundo dos Nerds, falei aos meus amigos o que eu queria fazer: encontrar Faramir. Chegamos um pouco mais cedo que nos dias anteriores e meu irmão me guiou até um local cheio de Actions Figures, algo que amo de paixão. Eis que então, meu relógio anuncia que em 30 minutos poderei ir atrás de Faramir, então todos me levaram onde ele poderia estar.

Era o momento de grande oportunidade, e dentro de uma sala de fotos, entra novamente Mark; o que não gerou uma frustração, mas a oportunidade de eu dizer: “I’m here again!” E nos damos as mãos, tiramos novamente foto e, assim que terminou, fui levado para outra cabine.

Parece que tudo vai se transformar quando o tema de Harry Potter toca suavemente, e de repente vem ao meu encontro Luna Lovegood, uma estudante na escola de Hogwarts, interpretada pela atriz Evanna Lynch.

Saindo dos encantos de Hogwarts, fui levado para uma cabine próxima, e quando menos espero, me vejo no mundo de The Walking Dead. Desta vez, para encontrar e conversar com Aaron, que o ator Ross Marquand interpreta perfeitamente, para quem eu disse desejar que ele possa ser um grande herói para Rick e sua turma.

Depois da foto com Ross, me levaram para outra cabine e, nessa, sou surpreendido pela alegria contagiante do Quico, sempre aloprado pelo Chaves. Carlos Villagrán foi muito amável com seu beijo doce em minha face e muita diversão em uma foto linda.

Chegamos à última cabine e, torcendo para que fosse a de Faramir, fui tomado pela ansiedade. Olhando o fotógrafo preparando seu equipamento, fiquei atento ao movimento até vir ao meu encontro David Wenham, extremamente simpático. Consegui conversar com ele, que elogiou meu inglês. No fim, antes da foto, segurando em sua mão eu disse: “You are my eternal Faramir.”

Estes foram os meus três dias encantados, onde o pouco que vivi, está nas linhas acima escritas. Agora, só há um agradecimento, um forte abraço, e muito amor.

Agradeço ao Érico Borgo, que me deu a oportunidade de viver essa emoção. Agradeço ao grupo Omelete, que é responsável por essa minha felicidade e por compartilharem um material muito rico com tudo que eu amo. Agradeço a todos os membros que fizeram dessa Comic Con, a melhor da minha vida, realmente, foi épico!