Fantasmas

Por paulohenrique

Sinto-me hoje como se estivesse perdido algo muito importante. Não que esse algo seja um objeto, mas sim um sentimento vazio que permeia o meu ser, deixando marcas de dúvidas sobre o que realmente eu deva fazer.

Sim, sinto que devo chamar certa pessoa e conversar sobre um deslize que há um tempo cometi. É muito difícil lidar com o ser humano. Temos que prestar atenção em praticamente tudo, e sermos além de sagazes, verdadeiros mestres na arte do entendimento.

Tenho prestado certa atenção ao que me rodeia, mas como ninguém está em minha pele, por mais que eu expresse o que vejo, soa como falácias de minha memória, embriagada pela solidão que me cerca.

Realmente, estar só diante de muitos, cria um mundo falso, onde os enganos nos levam a cometer suicídio social, em meio a atos impensáveis, onde o que se quer não se alcança, e assim você se vê obrigado a se enclausurar na sua razão, irracional para muitos, mas que para você mesmo é a única verdade não aceita para aqueles que o julgam.

Como é difícil lidar com a vida, diante das guerras de muitos. Mas, acredito que não estamos sós, pois o mesmo que lhe afeta, a muitos também prejudica.

Vivo à espera de um momento certo para agir, para olhar nos olhos da pessoa que afligi e poder expor o que realmente houve, mesmo o que o que foi feito, há anos se passou, dias ou horas.

Quando há uma mancha em nossa consciência, aquilo nos persegue. Se temos bom caráter, devemos limpar esta mancha, com cordialidade e honra, pois assim damos a chance de que nos enxerguem como pessoas respeitosas.

Mas, eu mesmo há um bom tempo, vendo a mesma situação de desconforto que causei, chamei a pessoa para tentar conversar. Simplesmente não me deram a chance de me redimir, me dando as costas e, assim, o que aconteceu de maneira errada, está até hoje no ar, como um ser desconhecido, sem uma forma certa de ser por justamente ignorarem a oportunidade de uma boa conversa e que, assim, nossos caminhos poderiam estar limpos e tranquilos.

É comum de alguns que têm a culpa, apontar um bode expiatório para justamente não assumir o seu erro, mas, mal sabe essa pessoa que mentira não tem apenas pernas curtas, mas que também é o maior defeito de nossas almas, nos impede de sermos honestos.

Não sou honesto, não sou humilde, tenho falhas como todos, mas tenho caráter e quando me encontro em meio aos meus erros, entro em um campo de tortura que me segue a vida toda, até um dia eu ter a oportunidade de quebrar essa corrente que criei.

Errei com quem eu não deveria, aliás, não foi um erro consciente, somente vi depois que atingi aquele que não merecia. Preciso agora procurar meios de lhe pedir perdão, um tempo em que eu sinto que é o momento de olhar em seus olhos e explicar realmente o que aconteceu.

Fantasmas realmente existem, estão sempre presentes quando cometemos injúrias. São perceptíveis quando mentimos, quando erramos. Estão ali nos olhando, como prova de nossas faltas.

Eu os sinto nesse momento em que escrevo pois tenho dívidas a pagar, não somente com essa pessoa, mas com muitas, e se houver chance, estou aqui para poder olhar em seus olhos e expressar as verdades como realmente foram.

Quando essas coisas vêm à tona, é extremo o pesar que cai sobre você, em todos os sentidos, sejam emocionais ou físicos. Não nos permite sorrir, não nos permite viver livres, apenas nos vêm como uma camisa de força, que somente afrouxa quando estamos realmente firmes para assumir diante daquele que agimos erroneamente, na oportunidade de conquistar mais uma vez, o seu sorriso e amor.