Caminhos ao Labirinto

Por paulohenrique

Há certos momentos na vida da gente que questionamos a nós mesmos, o que estamos realmente fazendo aqui? Claro que em meio ao tempo, e tudo que a vida tem nos ensinado, são respostas óbvias para nossas chamas permanecerem acesas. Mas há aqueles momentos em que nos sentimos tão pequenos que nos encolhemos, e o único calor que vem, é uma fraca chama de nossos corações que em meio à solidão, ainda persiste em viver.

A vida é por demais bela e preciosa. Com ela, caminhamos a cada dia por nossa vitória. Todos os dias são de vitórias, mesmo aquelas que jamais temos intenção de conquistar.

Hoje estou aqui, em meio às lutas diárias, onde sem nem sequer esperarmos, estamos em uma montanha russa que, de tanto subir, chega o momento desesperador da descida. É nessas horas que se não estivermos presos ao cinto de segurança, seríamos arremessados para além do que possamos imaginar.

Não quero me dar ao luxo da derrota. Irei vencer e conquistar todos os meus sonhos, e devo a cada segundo afirmar isso.

Mesmo as mais belas flores nascem diante da guerra, regadas por sangue de vidas que passam seus momentos de dor. Mas ela está ali, um momento de vida, linda, com suas pétalas macias que mostram ao mundo que a vida é sim muito bela e preciosa.

Fico agora com um sorriso no rosto, sentindo a satisfação da vida, e ergo com muita alegria o troféu da conquista de mais um novo dia a se seguir. Agradeço imensamente mais uma dádiva Divina, na oportunidade de eu continuar caminhando e sonhando, rumo ao meu futuro de boas novas conquistas.

Todos somos assim, nos sentimos derrotados, desamparados, mas não devemos permitir que certos pensamentos sejam como ninhos para chocar os ovos da discórdia e do desamor.

Estou vivo, mas não fisicamente. Sinto dor. Dor esta que me faz a cada passo chorar por acreditar que não tenho forças para caminhar. Isso é tão patético, que não somente é uma grande mentira, mas que também é a arma que me faz cair.

Retorno aqui aos meus textos, depois de um tempo abraçado ou mesmo acorrentado por algo que tenta, a todo custo, me impedir de viver, de criar ideias, de olhar pra frente, perceber as cores e o aroma, definitivamente, tenta a todo custo me impedir de dar valor à vida.

Não sou desses que de repente, de tantas penúrias, se entrega a certas medidas radicais. Apenas quando estou nesses momentos escuros, deixo que o tempo tome conta, e tenho certeza que, em algum momento, irei despertar.

São tantos caminhos a seguir, e maior ainda são as indecisões que se mostram diante de cada um. De repente, você pode ter tudo aquilo que almeja, mas se não tiver o brilho da vida ao seu redor, tudo não passa de um filme em preto e branco. Óbvio que, mesmo nessa situação, há a presença de duas cores, às quais tentam a todo custo, lhe mostrar oportunidades de que realmente tudo ainda vale à pena.

Hoje mesmo, aqui no hospital, aconteceu algo inesperado. De repente, no corredor, ouvimos gritos de pessoas solicitando urgência, pois uma paciente teve uma parada cárdio respiratória. Passado um tempo, quando a calma retornou, todos os envolvidos para tentar reaver a pobre alma, mostraram semblante de surpresa, pois em momento algum a paciente não dava sinais de piora.

Fiquei pensando: não sinto dores, nem mal estar, estou bem, mas, sem que eu espere, algo pode acontecer. Sim, confesso que há um certo medo de morrer, e ver que deixei tantas coisas de lado, tantos sonhos a realizar, e nem sequer uma semente da razão e da verdade pude plantar.

Claro que estas poucas palavras expressam desespero e um certo exagero de drama, mas minha mente é tão traiçoeira que me leva realmente à perdição. Caminhando, seguindo em frente, de repente paro e fico ali, apenas instigando a mim mesmo, para que eu dê mais um passo. É nessa horas que parece que meus pés pesam mais de mil toneladas, é sofrível ver que você pode tanto, e algo monstruoso tenta a todo custo lhe emperrar.

Mas, agora, hoje, nesse momento, estou feliz, estou aqui, escrevendo, expressando o que minha mente tanto quer dizer, e às vezes, por mais que as palavras venham, pode não ter significado algum, porém, se pararmos para pensar e entrar nesse labirinto de emoções, apenas estar munido de uma bússola, não quer dizer que esteja preparado para seguir em frente, e sim estar preparado para uma imensa e grande guerra que em frente está para vir.

Mas hoje estou bem, estou sim, feliz. Acordei, tomei café da manhã, dançando as melodias que muitos aqui aplicam, e tenho muito medo de, se eu der um passo errado, por tudo a perder. Como dizem, a corda sempre arrebenta pelo lado mais fraco e, não que eu seja o lado fraco da situação. Posso até ser mais forte, sendo maduro o suficiente para respeitar sempre, as ideias e decisões de todos que estão ao meu redor. Afinal de contas, eu dependo deles.

Mas, hoje estou sim, feliz, já disse tantas vezes para minha verdadeira irmã, Eliana, que a amo. Alguns que ouviram, disseram que eu estou carente, mas, quem não está carente? Ainda mais no mundo de hoje, onde nem sequer recebemos um abraço… eu mesmo, é muito difícil alguém me abraçar, mas, quando acontece, me sinto aquecido, confortável, e seguro.

Já conversei hoje com pessoas que me fazem tão bem. Sim, é difícil de as pessoas entenderem o que é isso. Eu muitas vezes fico pensando o que muitos veem em mim. Será que sou somente o melhor amigo ou o irmão? Não, sou sim muito mais que isso e tenho certeza de que um dia todos verão o homem que sou, e que além de uma grande e forte amizade, eu posso muito bem dedicar muito mais que todos possam imaginar. E, por isso, tendo essa certeza, desejar um beijo doce dessa pessoa muito amada. Não há mal algum e, sem refletir, me atrevo a dizer essas doces palavras: “um dia, iremos nos beijar muito”.

Sim, hoje estou muito feliz!